5 erros de e-mail marketing para não pisar mais na bola

Share on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+1Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0
Tempo de Leitura: 3 minutos

Bom alcance, baixo custo e uma boa taxa de retorno. Essas são algumas das características do e-mail marketing e os principais motivos pelos quais muitos lojistas recorrem a essa estratégia no e-commerce. No entanto, na sede de usar a ferramenta, alguns deslizes acontecem e ameaçam toda a divulgação. Vamos listar aqui alguns erros de e-mail marketing para que você possa evitá-los para ter resultados positivos com a sua divulgação.

1. Comprar mailing

Com certeza esse é o pior dos erros de e-mail marketing que um lojista pode cometer. Muitos recorrem à compra na pressa de ter mais contatos em sua base. O problema é que essa é uma prática invasiva, pois o cliente passa a receber mensagens que não solicitou de uma marca que, por vezes, nem conhece ou não se identifica. Com essa prática, é possível conseguir alguns contatos de clientes que se interessam pela marca. No entanto, a quantidade de clientes irritados será muito maior e não compensará o resultado.

O ideal é oferecer uma página ou um espaço no site e nos e-mails – que o cliente recebe quando compra um produto – para que ele se cadastre voluntariamente no seu mailing.

2. Não segmentar a base de e-mails

Esse é um erro bastante comum, pois muitos lojistas não conhecem o seu valor. A segmentação é um recurso muito importante, porque permite enviar mensagens relevantes para cada perfil de cliente. Dessa forma, as chances de obter uma comunicação mais personalizada e mais próxima dos seus clientes são enormes.

A dica, nesse caso, é armazenar em uma planilha as principais informações sobre os seus clientes. Isso inclui produtos comprados, frequência, gostos e preferências. Algumas informações você adquirirá no próprio comportamento de compra do cliente. Para outras, será preciso perguntar em formato de pesquisa. Sempre lembrando de ser sutil e educado. Dentro da sua ferramenta de e-mails, separe a sua base em listas que façam sentido para as suas estratégias de marketing. Por exemplo, clientes que compraram presente para o Dia das Mães, clientes que torcem para o Corinthians ou clientes que não compram há mais de três meses. Ao enviar um e-mail, basta lembrar de combinar a mensagem com a lista já salva e aumentar as suas chances de sucesso. Quando o e-commerce estiver maior, valerá a pena utilizar uma ferramenta de gestão que automatize todo esse processo para você.

3. Não ter um assunto matador

O assunto da mensagem é a parte mais importante do seu e-mail. Em poucos caracteres, é preciso explicitar como aquela mensagem é relevante para ele – mais uma vez, a importância da segmentação! Se você estiver trabalhando com uma base segmentada e souber as necessidades daquelas pessoas, as chances de escrever um assunto que chame a atenção são maiores.

Além disso, uma das coisas mais irritantes para o cliente é ver um assunto que promete uma coisa, mas, quando o e-mail é aberto, perceber que não era nada daquilo. Por exemplo, um assunto com “Desconto de 30% nas camisetas” e, quando o cliente abre a mensagem, está escrito que o desconto só vale se ele comprar R$200.

4. Não aplicar os ensinamentos sobre jornada de compra

Conforme já abordamos no neste post, a jornada de compra do cliente serve para compreendermos quão perto de concluir uma venda o cliente está. Dessa forma, podemos aplicar os estímulos que serão mais aceitos em cada etapa da jornada de compra. Por exemplo, um cliente que está numa fase de Aprendizado e Descoberta não aceitará tão bem uma mensagem com cupom de desconto – ou outra abordagem mais agressiva de venda – quanto o cliente que está na fase de Avaliação e Compra. Quando você aplica esses conhecimentos na segmentação da sua base de e-mails, tem mais chances de obter melhores resultados.

5. Não equilibrar imagens e textos

Um e-mail só com textos é entediante. Um só com imagens é entendido como spam pelas ferramentas de e-mail. O importante é equilibrar esses elementos e caprichar nas imagens, para que elas não sejam meramente ilustrativas, mas o ajudem a vender o produto e transmitir a mensagem de forma interessante, relevante e chamativa.

Tem alguma dica para acrescentar? Deixe nos comentários!

Share on Facebook1Tweet about this on TwitterShare on Google+1Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0