Blog da Loja Integrada

Busca orgânica para ecommerce: saiba tudo!

Um dos desafios enfrentados pelos lojistas é o de aparecer para o seu público. Ou seja, para que, independentemente de onde esteja, ele veja a loja e seja instigado a conhecer o seu produto. Estes são os primeiros passos de uma possível conversão.

No caso dos resultados de busca de pesquisa, há duas formas de aparecer: na busca orgânica e na busca paga. No texto de hoje, vamos nos aprofundar na busca orgânica para ecommerce, nas suas características e nos seus benefícios.

O que é busca orgânica?

A busca orgânica é aquela que aparece nos resultados de busca naturalmente, ou seja, sem que o dono do site (ou rede social) precise pagar para isto acontecer.

Em que posição e se o site vai aparecer no resultado de busca é algo definido pelos algoritmos dos buscadores — como o Google. Eles trabalham constantemente para identificar o conteúdo do site e, em seguida, apresentar aqueles que têm maior afinidade com os termos pesquisados pelo usuário.

Para estar entre os primeiros resultados de busca orgânica, a dica é trabalhar bem com as estratégias de SEO. A sigla representa Search Engine Optimization. Em português, otimização dos mecanismos de busca. Trata-se de um conjunto de ações que visam compreender quais são os critérios usados pelos algoritmos dos buscadores para classificar e rankear bem uma página e, assim, aplicar essas ações no site em questão. Essa tarefa é árdua, exige dedicação, acompanhamento diário e traz resultados a longo prazo. Por outro lado, a busca orgânica para ecommerce é capaz de colocá-lo nos primeiros resultados de busca sem investimento em mídia.

O que é busca paga?

A outra opção é a busca paga. Como o nome já diz, é preciso pagar para aparecer neste tipo de busca. Trata-se de um anúncio. Provavelmente você já ouviu falar dela. Para o caso do buscador Google, ela também é conhecida pelos nomes de link patrocinado ou Google AdWords.

O princípio da busca paga é o mesmo da busca orgânica: analisar um site e combinar o conteúdo dele com os termos utilizados na pesquisa. A diferença é que a busca paga não analisa um site, mas sim um anúncio previamente configurado pelo anunciante — ou pela agência que o auxilia neste processo. Além disso, há uma cobrança. Ela pode ocorrer de diversas formas, mas a mais comum é cobrar toda vez que um internauta clica no anúncio. O bacana é que você escolhe quanto quer investir e pode fazer ajustes mesmo com a campanha no ar.

Saiba mais sobre os anúncios pagos nos resultados de busca do Google.

Como escolher o melhor tipo para o meu negócio?

Com duas opções tão boas e completas, como escolher qual é a melhor para a sua loja? Para tomar esta decisão, é interessante observar os benefícios de cada uma. A busca orgânica para ecommerce é interessante, pois não há a necessidade de pagar toda vez que alguém clicar no seu resultado de busca. Ela é gratuita, por isso é uma boa opção se o orçamento for limitado. No entanto, ela apresenta resultados a longo prazo e requer um trabalho de muita dedicação.

Já a busca paga, apesar de demandar investimento a cada clique, traz resultados rápidos e coloca o seu site lá no topo dos resultados de busca.

Uma terceira opção é não escolher uma delas, mas sim trabalhar com ambas. Essa estratégia é muito interessante, pois elas podem se complementar: a busca paga pode trazer os resultados imediatos, enquanto se trabalha em paralelo com as ações de busca orgânica para ecommerce. Se você tem equipe para lhe ajudar com ambas as tarefas, esta pode ser uma excelente opção.

Como melhorar o seu posicionamento de busca orgânica para ecommerce?

Agora que você já sabe tudo sobre busca orgânica para ecommerce, é hora de mergulhar de cabeça em melhorar o posicionamento da sua loja com os resultados de pesquisa. Para isso, separamos dois materiais para você:

  1. O post: O que é e como usar o SEO para loja virtual
  2. O ebookGuia essencial de SEO: entenda e aplique no seu negócio!
Assine o plano Pró da Loja Integrada
Leia mais

Artigo anterior

Saiba a importância do Webshoppers para o ecommerce

Leia mais

Próximo artigo

11 ferramentas do Google para ecommerce

Deixe seu comentário