Blog da Loja Integrada

Códigos de produtos para e-commerce: saiba tudo

Parece um item necessário para lojas físicas, mas tem grande valor em loja online também. Os códigos de produtos para e-commerce podem ajudar não só na organização do estoque como também a tornar a loja mais competitiva perante o mercado. Com o texto de hoje, você vai saber tudo sobre este tema. Confira!

Códigos de produtos para e-commerce: o que são?

Todos os produtos de supermercados ou de lojas físicas têm um código de barras. Trata-se de um sequenciamento numérico que serve para identificar aquele produto, indicar seu preço, seu fabricante e seus detalhes técnicos. No e-commerce, eles funcionam da mesma forma: como se fossem um RG dos produtos da sua loja.

Qual é a importância da codificação?

Os três principais benefícios de usar códigos de produtos para e-commerce são: gestão e organização de estoque, credibilidade e competitividade.

1. Gestão e organização de estoque

Um simples código pode facilitar a organização do estoque da loja e viabilizar um sistema rigoroso de contagem e controle. Dessa forma, ficará muito mais fácil identificar qual é o item solicitado pelo cliente e encaminhá-lo ao seu endereço. Uma falha nesse processo – facilmente evitada com o código – pode atrasar a entrega ou encaminhar o produto errado ao cliente. Além de transtorno e frustração, a consequência é um custo adicional com logística reversa.

2. Trazer credibilidade para a empresa

Usar o código de barras traz profissionalismo e credibilidade para o negócio. Além disso, usar o sistema que grandes empresas utilizam facilita a negociação com parceiros e fornecedores.

3. Aumentar a competitividade da loja

Já existem aplicativos de comparadores que permitem que o cliente escaneie o código do produto na loja física e veja produtos similares no comparador de preços de lojas virtuais. Sem o código, o cliente pode buscar por um produto e ter resultados com detalhes bem diferentes do que procura. Com o código, todos os resultados de busca terão exatamente os mesmos detalhes que o produto que ele viu na loja física. Se a loja disponibilizar esse código na página de detalhe de produto, aumenta a possibilidade de aparecer nos resultados de busca e ser mais competitiva.

Além disso, com os códigos de produtos para e-commerce é possível:

  • Identificar os produtos;
  • Acessar todas as suas informações;
  • Fazer a integração entre loja física e virtual, quando houver.

Quais são os tipos de códigos de produtos?

Há 2 tipos de códigos principais:

1. SKU

A sigla é de Stock Keeping Unit, Unidade de Controle de Estoque, em tradução literal. Trata-se de uma sequência de letras e números que identificam o produto. Por exemplo, um e-commerce de chá vende uma caixa com 8 sachês da marca Twinings, de camomila com canela. O código pode ser TW CMCN 8. Este código é muito útil para identificação rápida e pode ser criado por você mesmo.

2. Código de barras

Trata-se de uma sequência de 13 números que indica o país em que o código foi gerado, o número da empresa que o produziu, a descrição das suas características e um dígito verificador. Esse é o sistema usado por mais de 450 mil empresas de mais de 100 países. O código é definido pela GS1. Para usá-lo, a empresa precisa fazer uma solicitação à GS1. O custo mínimo é de R$ 509 ao ano.

Além desses códigos, há o MPN (Manufacturer Part Number), ou número da peça do fabricante, e o NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul).

De quais códigos de produtos para e-commerce você precisa?

Depende. O SKU é interessante ter independentemente do que você vende ou do tamanho da empresa. O código de barras deixa a empresa mais competitiva, mas é preciso avaliar o custo envolvido. O MPN só é necessário caso você seja fabricante e o NCM se você fará transações com outros países do Mercosul.

Gostou de ler sobre códigos de produtos para e-commerce? Para finalizar, é importante saber que os códigos não servem apenas para uma análise interna de estoque, credibilidade e competitividade. Esse número precisa constar na apresentação do produto.

Leia mais

Artigo anterior

Instagram para e-commerce: Dicas para engajar sua loja no Instagram

Leia mais

Próximo artigo

Como aproveitar o poder dos depoimentos para e-commerce

Deixe seu comentário