Blog da Loja Integrada

PIX: O que é e Quais são as vantagens?

Em agosto de 2020, o Banco Central anunciou seu novo sistema de pagamentos instantâneos, o PIX. O início da operação completa do PIX será 16 de novembro de 2020, e traz uma grande revolução comparado aos tipos de transações bancarias que temos atualmente.

Só pra lembrar atualmente, existem as duas possibilidades para realizar o envio de dinheiro entre pessoas com contas em outras instituições:

DOC (Documento de Ordem de Crédito): o dinheiro cai na conta de destino no dia seguinte, mas pode levar mais de um dia útil caso a transferência seja feita após às 22h. Além disso, o valor máximo que pode ser transferido por DOC é de R$ 4.999,99.

TED (Transferência Eletrônica Disponível): o dinheiro enviado à outra instituição será creditado na conta de destino até às 17h daquele mesmo dia. Não há um valor mínimo a ser transferido, e valores superiores a R$ 5 mil podem ser enviados;

As transações TED e DOC funcionam somente em dias úteis, o que travava muito o uso desses recursos em fins de semana e feriados, além de terem taxas altas por transação.

O que é PIX e o que traz de novo?

O objetivo principal é proporcionar uma melhor e mais segura experiência de pagamento.

Duas das principais características do PIX são a velocidade e conveniência com que as transações serão executadas (em, no máximo, 10 segundos, em qualquer dia e a qualquer hora) independente da instituição de origem e destino. Isso só é possível por uma grande mudança: ao criar o PIX, o Banco Central desenvolveu uma forma simplificada de centralizar todas as informações que identificam um pagador e um recebedor, e é aí que tudo fica mais rápido. Vamos explicar melhor.

Imagine que hoje cada pagador possui seus dados de conta, agência, CPF ou CNPJ espalhados por diferentes bancos e fintechs. Quando alguma operação financeira ocorre, é preciso conectar os dados de quem está efetuando o pagamento ou transferência, com aqueles de quem está recebendo. Este processo costuma demorar horas, ou mesmo dias, quando realizado entre instituições diferentes e não está disponível nos finais de semana e nem pode ser realizado em qualquer horário.

Com o PIX, a fim de evitar esses inconvenientes, todos os dados da sua conta poderão ser facilmente identificados por uma “chave PIX” de sua escolha e ficarão armazenados diretamente no Banco Central em uma “base de endereçamento” (o DICT), facilitando a realização de operações sem a necessidade do preenchimento de tantos dados como atualmente. É por este motivo que:

Os pagamentos serão efetivados na hora, mesmo que a operação seja entre bancos diferentes.

Não será necessário compartilhar a todo o momento os seus dados pessoais, como o número da conta, agência, código do banco ou fintech, CPF ou CNPJ com terceiros, aumentando assim a segurança e facilidade da transação.

As operações poderão ser feitas em qualquer dia e horário, inclusive nos finais de semana e feriados.

Quais são as vantagens do PIX para empresas?

Com o PIX, empresas vão ter mais uma opção para receber pagamentos além de dinheiro físico, boleto, cartão de débito ou crédito e transferência (DOC e TED). A vantagem é que, com o PIX:

Os pagamentos vão ser diretos entre pagador e recebedor – sem intermediários que podem tornar as transações mais caras e demoradas;

Os pagamentos vão entrar direto na conta da empresa em poucos segundos;

Os custos das transações serão menores do que de outros meios de pagamento.

Além disso, pessoas jurídicas também vão poder usar o Pix para pagar fornecedores, salários de funcionários e tributos.

Quando o PIX começa a funcionar?

As transações via PIX começaram a funcionar parcialmente no dia 3 de novembro de 2020 (em caráter de testes), e no dia 16 de novembro o PIX começa oficialmente.

Quer saber mais? Acompanhe nosso blog que estamos preparando mais materiais pra deixar mais fácil de entender o PIX e suas vantagens.

Leia mais

Artigo anterior

Black Friday 2020: entenda o comportamento do consumidor

Leia mais

Próximo artigo

Black Friday 2020: aplicando estratégias ao e-commerce! (Parte 2)

Deixe seu comentário