Blog da Loja Integrada

Como mensurar o capital de giro da loja?

O capital de giro é um dos principais indicadores de vitalidade de qualquer negócio.

No varejo, a sua importância é redobrada e para muitos lojistas, ainda há dúvidas quanto o seu a sua análise e controle.

Se você busca otimizar a sua necessidade de caixa ou vende e não vê a cor do dinheiro, preste muita atenção neste artigo. Vamos ao que interessa!

Um pouco do Capital de Giro

Por ainda ser motivo de dúvidas, resolvi começar a nossa conversa explicando o que realmente é o capital de giro.

Que basicamente é o indicador que mede o capital de necessário para manter todos os processos – ou seja, toda a empresa – rodando, em um período;

Para calcular o capital de giro (CP) e entendê-lo, basta pensar no seu fluxo de caixa – Já vou explicar.

De uma maneira geral, o cálculo do indicador se dá pela fórmula:

CP = Ativos Circulantes – Passivos Circulantes

Onde os seus ativos circulantes são os seus direitos como: estoque, caixa e contas a receber.

Por sua vez, os passivos circulantes são as suas obrigações à pagar naquele período.

O seu cálculo pode parecer muito simples, mas vale ressaltar que há muitas variáveis em cada um desses fatores.

Como por exemplo, hoje você pode ter fechado uma venda parcelada em 3 vezes, sendo que o mês termina em 1 semana e o produto vai ser entregue em poucos dias…

São muitas variáveis e nisso, o empresário pode ficar bem confuso.

Ao final desse artigo, vou deixar uma ferramenta capaz de ajudá-lo nesse processo, fique tranquilo!

Fechando essa parte, podemos concluir que se o que você gasta é superior ao que você recebe, haverá prejuízo nas contas e por fim, um problema de capital de giro.

Porque devo ter atenção com ele?

Hoje, 9 em cada 10 lojistas não sabem a real necessidade de capital de giro de suas lojas e muitos desses caras, vendem e não vêem a cor do dinheiro.

Tudo isso por um simples motivo: a gestão e análise de indicadores no varejo é frequentemente negligenciada.

Por mais que haja muita informação disponível na web, ainda não há ciência da bola de neve que é criada com a omissão da gestão – Tome como exemplo essa história do e-commerce que chegou a faturar 14 milhões e teve que fechar as portas.

Claro, não importa o tamanho da receita que você gera, mas sim o máximo de resultados que as suas margens podem te oferecer.

Ao ter cuidado com o seu capital de giro total e dos produtos, estarem nos precavendo da possibilidade de fazer vendas inviáveis, que reduzam o caixa.

Tome como exemplo essa situação:

Mariana é uma empresária que comercializa botas e na sua formação de preços, ele decide vender um dos produtos mais simples à R$100,00.

Por mais que a sua margem de contribuição seja boa, digamos uns 47% ou R$47 de lucro bruto em cada venda.

De nada vai adiantar conseguir R$47,00 para contribuir nos custos e despesas fixas, se as condições de compra e venda desse produto te façam provisionar caixa em cada venda, ao invés do próprio produto se pagar.

À seguir, vou falar um pouco sobre essas métricas de compra e venda que mencionei e te mostrar como mensurar o seu indicador!

Como mensurar?

Quando falamos em capital de uma loja, precisamos estar atentos à 3 métricas principais: prazo de pagamento a fornecedores, giro de estoque e prazo de recebimento de clientes.

Trabalhando estas 3 métricas juntas, podemos diminuir o impacto das vendas no caixa da loja.

Para te mostrar como é possível controlar essas margens, eu vou calcular o capital de giro unitário, ou seja, de um produto.

Com esse exemplo, será possível perceber que as pequenas alterações na forma como compramos de um fornecedor, a quantidade de produtos adquiridos e o prazo que damos aos clientes vai impactar nas suas finanças.

Visualize um produto, onde:

  • Preço de venda: R$100,00;
  • Prazo de recebimento do cliente: 30 dias;
  • Custo da mercadoria: R$60,00;
  • Prazo de pagamento ao fornecedor: 1 dia (pagamento à vista)
  • Dias de estoque: 25 dias;

Neste exemplo, vamos simular 1 único produto sendo vendido, com uma margem de contribuição de R$40,00 ou 40%.

Caso você estranhe as fórmulas à seguir, coloquei o nome de cada variável para facilitar o reconhecimento – Não queremos perder tempo, certo?

Vamos aos cálculos!

  • Contas a receber = (Preço de Venda × vendas × prazo clientes) /30
  • Contas a receber (CR) = (100 × 1 × 30) /30 = 100

Faz sentido, em 30 dias, comercializar 1 produto à R$100,00 e só receber o dinheiro da venda 30 dias depois, o nosso contas a receber ficou R$100,00.

Dica: Para otimizar esse cálculo, procure encurtar os prazos dados a clientes, em outras palavras, trazer o dinheiro mais rápido ao caixa.

  • Estoques = (custo da mercadoria × compras × dias estoque) /30
  • Estoques (Est.) = (60 × 1 × 25) /30 = 50

Em 30 dias, o valor desse estoque ficou em R$50,00 – Visto o valor da unidade e o seu tempo imobilizado.

Dica: Compre com mais frequência e em menos quantidades.

  • Contas a pagar = (custo da mercadoria × compras × prazo fornecedor)
  • Contas a pagar (CP) = (60 × 1 × 1)/30 = 2

Fechamos com o contas a pagar que ficou em R$2,00 – lembrando que pagamos os nossos fornecedores à vista, prática comum no varejo.

Dica: Não paga à vista, negocie prazos mais flexíveis – lembre-se da fórmula do capital de giro (entradas e saídas de caixa)

  • Capital de giro unitário = CP – (CR + Est. )
  • Capital de giro unitário = 2 – (100 + 50) = – R$148,00

Fazendo uma análise fria desse resultado, podemos dizer que para vender um produto à R$100,00 nas condições acima, precisamos reservar uma quantia em caixa de R$148,00.

Enquanto esse empresário está lucrando R$40,00 com cada venda, ele nem percebe o perigo que está sendo comercializar um produto tomador de caixa.

De toda forma, esse mesmo cálculo pode ser feito com essa calculadora de preços que separei para você, dê uma conferida!

Conclusão

Há pouco, falei do capital de giro de apenas 1 produto, mas imagine fazer o mesmo cálculo para 10,20,50,1000 produtos diferentes?

Muito provavelmente, isso não será feito.

Afinal, existem softwares de preços e indicadores para facilitar todo o processo de levantamento das margens.

O que não nos impede de utilizar as planilhas no começo das vendas, claro.

Pensando nesse casos, esta grande ferramenta de apuração do capital de giro pode te ajudar – lembrar da surpresa que mencionei ali em cima?

Parceiro:
Preço Certo - Forme e gerencie seus preços
https://www.precocerto.co/


Leia mais

Artigo anterior

O que é Callback e porquê vale a pena investir

Leia mais
Inteligencia Artificial

Próximo artigo

Como melhorar a experiência do cliente no seu e-commerce

Deixe seu comentário